SE NÃO CONSEGUIR VISUALIZAR ESTA EDIÇÃO ELECTRÓNICA CLIQUE AQUI
#95 | JUlHO 2017
 
BRUNO CARVALHO
Gerente da Rubber Vulk
"O grande desafio é acompanhar as tendências e ler bem o mercado"
 

O estatuto PME Líder é um selo de reputação de empresas criado pelo IAPMEI para distinguir o mérito das PME nacionais com desempenhos superiores. A Rubber Vulk obteve o estatuto de PME Líder em 2016, um reconhecimento do trabalho desenvolvido na atividade de acessórios e consumíveis para centros de montagem e venda de pneus. Quais foram os principais desempenhos da empresa que determinaram esta distinção do IAPMEI?
A distinção PME excelência à Rubber Vulk, à semelhança de outros anos, foi atribuída devido ao cumprimento dos requisitos normais, principalmente ao aumento do volume de negócios face ao ano anterior e à autonomia financeira.

Qual é o historial da Rubber Vulk enquanto fornecedora de soluções para o setor automóvel?
A Rubber Vulk iniciou a sua atividade em Portugal em 2001, sendo o seu cliente alvo à época, os centros de montagem de pneus. Hoje, o nosso cliente-alvo são todos os agentes de manutenção de veículos, e dispomos de mais de 5000 referências de produtos relacionados com a mobilidade.

Em termos gerais, de que forma descreve a oferta da empresa?
A organização propõe aos parceiros de negócio soluções/produtos/consumíveis de manutenção e reparação de veículos de mobilidade, sejam eles automóveis, motos, camiões, autocarros, etc., tendo, essencialmente, como foco os produtos e serviços que estão ligados à roda, mas continuando a diversificar a oferta para outros elementos da viatura.

Qual é a importância das oficinas para o negócio da Rubber Vulk?
As oficinas são o nosso cliente-alvo, como tal, são de vital importância para a nossa atividade. Com a tendência para a diversificação de negócio - também dos nossos parceiros -, é cada vez mais difícil subsistir com a “monocultura” de negócio. Hoje é-nos difícil identificar o mecânico que só faz mecânica, o eletricista, o pintor, a casa de pneus, o centro de lavagem, a recauchutagem, que não ofereçam outros serviços. Por isso para nós, todos são oficina.

A marca é hoje de referência global, com um leque de oferta muito amplo, e tem continuado a fazer uma trajetória de crescimento de vendas.

A empresa fornece algum tipo de formação às oficinas?
A nossa organização tem como cultura uma forte componente de formação interna. Os nossos quadros têm formação contínua em diversas áreas e é nosso objetivo estarmos capacitados para responder e ajudar os parceiros de negócio a melhorar os seus processos de trabalho. A organização tem promovido diversas ações de formação aos seus parceiros de negócio, especialmente em áreas novas como o sistema TPMS.

Quais são as parcerias de relevo atuais da Rubber Vulk?
Todas as parcerias que temos são relevantes para nós. Não temos tratamento diferenciado para o mecânico de bairro ou para a grande distribuição ou rede de oficinas. Contamos com cerca de 2000 clientes ativos no mercado nacional e acordo de fornecimento com a maioria das redes de oficinas em Portugal, algumas delas em regime de exclusividade.

Como caracteriza a estratégia de internacionalização da empresa?
Em termos de distribuição direta, a organização tem instalações/filiais próprias em Portugal, Espanha, França e Colômbia. Os demais mercados (cerca de 55 países) são atendidos por agentes comerciais que representam a nossa marca no seu país. A marca é hoje uma marca global, com um leque de oferta muito amplo, e tem continuado a fazer uma trajetória de crescimento de vendas.

De que forma observa a evolução do mercado em que a Rubber Vulk se posiciona?
O mercado tem sofrido alterações nos últimos anos, principalmente nos hábitos de consumo e na tecnologia dos veículos. Os condutores são mais exigentes, nem sempre são fieis ao seu fornecedor, têm muito mais opções de escolha que antes. O grande desafio é acompanhar as tendências e ler bem o mercado. Muitas das conclusões de se fazer como sendo “culpa da crise” têm a ver com mudança de hábitos e/ou incapacidade para satisfazer o cliente…

Como comenta a diferenciação da oferta da empresa face à concorrência?
O nosso foco é sempre o cliente e o mercado, e não a concorrência. Respeitamo-la, e valorizamos os que se esforçam para desempenharem a sua função de forma séria, como nós. Inovámos em várias fases da evolução da nossa organização, diversificamos sempre que achamos que o mercado assim o pede e tentamos que a nossa organização trabalhe de acordo com os valores e a visão que temos e construímos em conjunto. Tentamos sempre fazer o melhor que podemos e sabemos - mas quem faz juízos de valor é sempre o cliente e o mercado. Cabe-nos acreditar que, se estamos com crescimento de vendas e de mercado, os nossos esforços, os nossos valores e a nossa visão estão de acordo com as expectativas que os nossos parceiros de negócio tem de nós, e merecemos a sua confiança.

Quais são as principais tendências que a empresa perfilha hoje em dia?
A organização tende a ser cada vez mais presente nos mercados a nível geral, cimentar a confiança dos parceiros de negócio e colaboradores. Somos já uma marca de referencia a nível mundial e continuaremos a ajustar os nossos produtos e processos à forma como o mercado se vai posicionando e aos desafios que nos colocam.

Qual foi o volume de negócio da empresa em 2016 em Portugal?
O volume de negócios da empresa de Portugal em 2016 foi de cerca de 2 milhões de euros.

Biografia
Bruno Carvalho é licenciado em Línguas Aplicadas em Economia, Sociologia e Direito pela Universidade Aberta. Fundou a Rubber Vulk e ocupa o cargo de Gerente na empresa.

ÚLTIMAS ENTREVISTAS
Edição Osvaldo Pires Design Lília Correia
Produção Lília Correia Publicidade comercial@algebrica.pt
Esta mensagem está de acordo com a legislação Europeia sobre o envio de mensagens comerciais: qualquer mensagem deverá estar claramente identificada com os dados do emissor e deverá proporcionar ao receptor a hipótese de ser removido da lista. Para ser removido da nossa lista, basta que nos responda a esta mensagem colocando a palavra "Remover" no assunto. (Directiva 2000/31/CE do Parlamento Europeu; Relatório A5-270/2001 do Parlamento Europeu).

jdahdladhdl